Terror e Erotismo: O mundo dos games do NEC-PC-98

Cidades futurísticas e labirínticas com cores saturadas, femme-fatales e cemitérios de um mundo pixelado.

Esse foi basicamente o mundo das imagens dos jogos mais controversos do PC-98.

O PC-98, uma série de computadores pessoais fabricados pela NEC durante o final dos anos 80 e 90, ocupou um lugar peculiar na história dos jogos devido à sua associação com um gênero único: os jogos voltados para adultos.

Isso ocorreu em um momento em que a plataforma dominava o mercado de computadores japonês.⁠

A série PC-98, lançada em 1982, apresentava gráficos superiores e um vibrante ecossistema de desenvolvedores de software.

Tornou-se particularmente popular entre os entusiastas no Japão, promovendo um ambiente onde jogos de nicho e experimentais poderiam florescer.

A ascensão dos jogos eróticos (ou “eroge”) e de terror no PC-98 foi, até certo ponto, uma consequência de sua abertura e falta de regulamentações rígidas de conteúdo.

Durante o final dos anos 80 e início dos anos 90, os desenvolvedores começaram a criar romances visuais com temas adultos, explorando sexo e violência, e aventuras interativas para o PC-98. Esses jogos apresentavam conteúdo explícito junto com elementos de narrativa.

O apelo distinto desses títulos não estava apenas em seu conteúdo adulto, mas também na narrativa e no estilo de arte.

Eu diria que, se não fosse o forte senso de estilo, tais jogos nem seriam fascinantes ou memoráveis. Boa parte deles não sumiriam no interminável abismo da vulgaridade.

O alcance limitado do PC-98 fora do Japão manteve esse fenômeno relativamente obscuro globalmente, com muitos descobrindo-o anos depois por meio de comunidades de emulação e jogos retrô.

O preço médio do dispositivo beira os US$ 2.000,00 no eBay, quase R$ 11.000,00 atualmente.

Apesar da controvérsia em torno do conteúdo adulto (alguns beirando o criminoso), a combinação única de capacidades técnicas reduzidas e um desenvolvimento “open-source’ do PC-98 permitiu o surgimento de um catálogo peculiar e até algumas obras de teor artístico.

Os desenvolvedores misteriosos de jogos do PC-98 cobriram uma série de tópicos proibidos. 

A era finalmente chegou ao fim quando os avanços tecnológicos trouxeram novas plataformas de jogos com alcance internacional mais amplo e, bem, regulamentações de conteúdo mais rigorosas.⁠ Além de uma observância estrita, tanto de conservadores quanto de progressistas politicamente corretos.

Em retrospecto, o estranho fenômeno dos jogos eróticos no PC-98 é um testemunho do cenário desregulamentado dos jogos de computador que, independentemente de sua opinião moral, refletia uma era em que experimentação, criatividade e interesses de nicho convergiam de uma forma que pode parecer peculiar quando vista através das lentes da cultura moderna de jogos.⁠

Com informações da Subukaru.Online
https://www.instagram.com/sabukaru.online/

Comente aqui

Categorias

Asssuntos

Posts

Último Episódio

Quem faz

O podcast é apresentado por Gabriel Vince. Já foi estudante de filosofia, história, programação e jornalismo. Católico, latino e fã de Iron Maiden. Não dá pra ser mais aleatório que isso.

O Ato de Criação como Ato de Separação
Todo ato de criação é um ato de separação, sendo...
A relação do cristianismo com a modernidade
O que tem a ver o Cristianismo com a modernidade?...
O ecletismo musical de Fishmans
Fishmans, uma banda de dub japonesa, formada em 1987, foi...
Akira Kurosawa: o cinema, a propaganda, a tradição e o fascismo
Quando falamos de "cinema de propaganda" lembramos prontamente de produções...
Rolar para cima