Seikima-II é uma banda japonesa de heavy metal formada em 1982.

A banda criou uma mitologia própria e uma identidade visual para cada membro, que representa uma “identidade mitológica” diferente.

À primeira vista, parece ser uma banda influenciada pelo KISS – e de fato é.

No entanto, devemos considerar as correntezas das influências culturais entre Estados Unidos e o Japão durante os anos 60 e 70, que eram muito mais bilaterais e complexas do que imaginamos.

Todo mundo sabe que a ideia estética do KISS veio do teatro Kabuki, do Japão – isso não é novidade para ninguém.

Os integrantes do Seikima-II, que são japoneses desde o nascimento, são resultados de uma retro-influência que foi de Shinjuku para Detroit, misturou-se com a cultura dos quadrinhos e retornou para o país de origem em formato de Glam Rock.

De acordo com a mitologia criada pela banda, Seikima-II é um grupo de demônios de uma dimensão futurística hiper evoluída chamada Makai, que pregam na Terra uma religião com o objetivo de conquistar o mundo através do Heavy Metal.

Já me conquistou aí.

E conquistou o Japão também, inclusive, vendendo mais discos do que o KISS – pelo menos nos anos 80.

A banda se tornou um patrimônio do país, sendo homenageada em animes como Hokuto no Ken e YuYu Hakusho.

Aliás, isso é uma das coisas mais interessantes do mercado japonês (e talvez da cultura). Eles absorvem tudo o que vem de fora, aprendem como fazer, se especializam, tentam criar um produto melhor e se tornam completamente autossuficientes e voltados para o consumo interno. Isso vai desde computadores até bandas de Rock.

Em território japonês, Seikima-II disputava de igual para igual com o KISS, assim como o X-Japan e Loudness competiam pau-a-pau com o Iron Maiden.

Para quem quiser conhecer a banda, a compilação WORST, lançada em 1989, é um bom começo – ela condensa bem os primeiros anos da banda.

Pelo menos nessa fase (não ouvi os trabalhos mais recentes), o som da banda é uma mistura de KISS, Nazareth e Quiet Riot – com uma presença forte de teclados.

Bem legalzinho.

Recomendado

Podcast Recente

Rolar para cima