Kyoko Miyake é uma diretora e produtora de cinema japonesa premiada, que em seus trabalhos, explora algumas facetas obscuras (ou curiosas) da sociedade japonesa através de personagens reais.

Nos anos 80 e até meados dos anos 90, o Japão era considerado o país do futuro, e o otimismo e vitalidade do City Pop enchiam as rádios, como hinos de esperança de uma nação que se reconstruía após a guerra. No entanto, a partir da metade dos anos 90, uma espécie de cansaço começou a se instalar na sociedade, ao mesmo tempo em que a cultura pop japonesa se tornava mais infantilizada, quase como uma resposta “anti-establishment” de um país “adulto” que havia internalizado a ética corporativa do trabalho e da indústria.

Em “Tokyo Idols”, vemos Kyoko Miyake explorar uma faceta particularmente perturbadora do mundo dos “Idols”, por meio de Hiiragi Rio, uma cantora de J-Pop de 19 anos, relativamente conhecida.

Hiiragi Rio é uma jovem talentosa, adorada por uma dúzia de fãs fiéis que a seguem em todas as suas apresentações.

O aspecto perturbador dessa história é que grande parte dos fãs de Rio, especialmente os mais devotados, que conhecem todas as músicas e ensaiam todas as coreografias, não são adolescentes, mas homens adultos, solteiros, na faixa dos 35 a 50 anos.

São maquinistas, vendedores de eletrodomésticos, cozinheiros, mecânicos de manutenção industrial, gerentes de lojas de calçados – todos aparentemente muito solitários e com histórias de decepções amorosas profundas. Homens comuns na sociedade japonesa, anônimos, que quando não estão desempenhando suas funções profissionais, estão colecionando adesivos em álbuns cor-de-rosa, com fotos de adolescentes de 15 a 17 anos.

Há um componente sexual óbvio, mas também uma dimensão afetiva. No documentário, vemos homens que não conseguiram formar famílias e que encontram nas cantoras um reflexo daquilo que poderiam ter sido no passado, misturado com idealizações típicas de pessoas com pouco contato social e uma espécie de niilismo colorido – uma vontade de se sentirem jovens novamente. Eles tratam essas cantoras como se fossem filhas, namoradas e esposas que nunca tiveram e nunca poderiam ter.

O documentário também revela o lado das Idols, mostrando que muitas delas também desenvolvem relações afetivas com os fãs – um carinho que frequentemente não encontram em suas próprias famílias. Algumas até evitam namorar, pois sentem que estariam traindo seus fãs, criando uma relação de codependência platônica ultravirtualizada.

 

Recomendado

Camera Talk

Podcast Recente

Rolar para cima