Scenery é o primeiro álbum do pianista Ryo Fukui, lançado em 1976. Desde o seu lançamento até meados de 2010, este disco, apesar de ser excelente e ter chamado a atenção de grandes jazzistas como Barry Harris, foi completamente ignorado.

O que aconteceu ao longo desses 34 anos para que esse disco fosse negligenciado pode ser explicado por diversos fatores, especialmente o “timing”. Scenery é um disco de jazz com uma abordagem mais cinquentista – algo que estava surgindo e se desenvolvendo no Japão desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Pode parecer estranho o que vou dizer, mas o Japão se tornou um grande consumidor de música ocidental e tinha uma predileção por tudo o que envolvia o “swing”. Os clubes de jazz se tornaram populares em Tóquio, especialmente o Shinjuku Pit Inn, e eram basicamente pontos de encontros festivos. A música americana, afro-caribenha, cubana e brasileira também se tornaram muito populares no país (e ainda são) pois cumpriam o seu papel motivar a dança.

Esse interesse pelo “swing” é fundamental para entender o Japão como um local de ressurgimento do jazz como música popular, enquanto nos Estados Unidos o gênero estava em uma fase diferente, tornando-se mais complexo e abstrato, afastando-se do público em geral e impulsionando a popularidade de gêneros como funk e rock and roll.

Os críticos ignoraram Fukui porque seu jazz estava “atrasado” e não seguia de perto as novidades da sofisticação americana ou europeia.

No entanto, anos mais tarde, em 2010, aparentemente do nada, esse álbum ressurgiu das cinzas. Sua popularidade cresceu abruptamente. Criou-se uma espécie de obsessão em torno desse álbum, levando colecionadores de jazz a procurarem este disco em todos os cantos.

Críticos de revistas especializadas em música começaram a fazer resenhas extremamente elogiosas, e o processo de revisão e “reparação histórica” começou e se desenvolveu ao ponto deste disco ser considerado um dos mais importantes e subestimados do gênero.

Esse ressurgimento se deve a um único fator: o YouTube.

Alguns canais começaram a disponibilizar o álbum completo no YouTube, atraindo cada vez mais ouvintes. Ryo Fukui começou a ser conhecido e reconhecido novamente.

Scenery é um excelente álbum que mistura o jazz modal dos anos cinquenta de Bill Evans com o cool jazz de Miles Davis, quando a estrutura da música ainda era muito influenciada pela música clássica europeia, especialmente Chopin e Debussy. esquecidas do jazz.

Recomendado

Ryo Fukui e um pouco da história do Jazz no Japão

Podcast Recente

Rolar para cima