O Ato de Criação como Ato de Separação

Todo ato de criação é um ato de separação, sendo o primordial a separação da Luz das Trevas, a Ordem do Caos.

As tradições mostram que o Caos é mais do que um mero conceito, mas uma entidade com instintos básicos de autopreservação, algo que reage quando se sente ameaçado e tenta evitar sua própria aniquilação.

O Caos é também temperamental. Por saber que não conseguirá fugir da sua aniquilação (pois onde há Ordem, não há Caos), é profundamente ressentido.

Por isso mesmo, as entidades do Caos são bestializadas – assumem a forma de dragões, serpentes e monstros marinhos.

Comente aqui

Categorias

Asssuntos

Posts

Último Episódio

Quem faz

O podcast é apresentado por Gabriel Vince. Já foi estudante de filosofia, história, programação e jornalismo. Católico, latino e fã de Iron Maiden. Não dá pra ser mais aleatório que isso.

A Importância dos Olhos em Blade Runner (1982, Ridley Scott)
A candeia do corpo são os olhos; de sorte que,...
Crime Fiction – O Cinema de Alfred Hitchcock sob a Luz de Edgar Allan Poe e G.K. Chesterton
Podemos dizer que cinema e literatura carregam uma relação de...
O Passageiro Habitual de Philip K. Dick
"O Passageiro Habitual" é um conto de ficção científica de...
A sociedade de formigas
Na província de Taishu, na China, havia um homem idoso...
Rolar para cima