Geórgicas: Primeiro Livro – Virgilio

As Geórgicas é um poema de Virgílio, provavelmente publicado em 29 a.C. Os temas do poema são a lavra (trabalho com arado), viticultura (cuidado das árvores), pecuária (gado) e apicultura (abelhas); no entanto, longe de ser apenas um manual agrícola, é uma obra caracterizada por tensões tanto no tema quanto no propósito.

As Geórgicas são consideradas a segunda grande obra de Virgílio, após suas Éclogas e precedendo a Eneida. O poema baseia-se em uma variedade de fontes anteriores e influenciou muitos autores posteriores, desde a antiguidade até o presente.

Muitos aclamam as Geórgicas como a obra mais sofisticada e perfeita de Virgílio, mas também a mais difícil e, por isso, a menos lida.

A obra é composta por 2.188 versos hexamétricos, divididos em quatro livros.

No primeiro livro, Virgílio inicia seu poema com uma dedicatória a Mecenas, seguida por um resumo dos quatro livros e uma oração a várias divindades agrícolas, bem como ao próprio Otaviano Augusto. Ele toma como modelo o trabalho de Marco Terêncio Varrão, antigo poeta romano, sobre a agricultura, mas difere dele em aspectos importantes.

Este livro é particularmente desafiador, pois há numerosas passagens técnicas que preenchem sua metade inicial, onde Virgílio descreve o arado.

Virgílio também faz referências a Hesíodo (de Trabalhos e Dias) e menciona Júpiter e sua relação com os homens, pontuando tensões elaboradas e deliberadas.

O poema aborda a importância do trabalho para o sucesso ou fracasso dos esforços da humanidade, seja na agricultura ou em outras áreas. No entanto, o livro atinge o clímax com a descrição de uma grande tempestade que anula todos os esforços do homem.

Após detalhar vários sinais meteorológicos, Virgílio termina com uma enumeração dos presságios associados ao assassinato de César e à guerra civil; apenas Otaviano oferece alguma esperança de salvação.

Comente aqui

Categorias

Asssuntos

Posts

Último Episódio

Quem faz

O podcast é apresentado por Gabriel Vince. Já foi estudante de filosofia, história, programação e jornalismo. Católico, latino e fã de Iron Maiden. Não dá pra ser mais aleatório que isso.

Civilização no imaginário cientificista – Reflexões sobre o quarto episódio da série “A Vida em Outros Planetas” (Netflix)
A física é um tipo de ciência que dialoga deduções...
Geórgicas: Quarto Livro – Virgilio
O livro quatro, uma contrapartida tonal do livro dois, está...
O período Andedeluviano, o Deus do homem e a fé de Abraão
Um dos períodos mais incríveis da história humana foi o...
A proximidade do Útero e do Túmulo
A enterro de uma pessoa é um ritual religioso muito...
Rolar para cima