A Lenda do Mapinguari – Um Yokai Brasileiro

Nas profundezas insondáveis da floresta amazônica, onde a luz do sol mal penetra o dossel verdejante e as sombras se entrelaçam como espectros antigos, reside uma criatura cuja existência desafia a sanidade dos homens. Aqueles que se aventuram por esses domínios, ao sentir um cheiro horrível e pestilento, quase como um miasma putrefato emanando das entranhas da terra, sabem que estão na presença do temível Mapinguari.

Descreve-se o Mapinguari como uma entidade de estatura descomunal, frequentemente comparada ao tamanho de um urso, mas com uma aparência que transcende qualquer coisa que a natureza normalmente engendra. Sua pele, grossa e escamosa, é dita ser impenetrável até mesmo por flechas, refletindo uma resistência sobrenatural. Um único olho, sinistro e injetado de sangue, repousa no centro de sua testa, enquanto um segundo olho, igualmente perturbador, se localiza nas costas e um terceiro no ventre, sugerindo uma vigilância omnipresente. Sua boca, uma fenda abissal que se estende do queixo até o estômago, parece ser um portal para uma voracidade sem fim.

As histórias sussurradas pelas tribos indígenas contam que aqueles que se perdem nas profundezas da mata e desaparecem sem deixar vestígios são, na verdade, vítimas dessa criatura monstruosa. O Mapinguari os devora inteiros, e suas almas perdidas vagam eternamente pelos confins da floresta, em um tormento sem fim. Os pais, em suas humildes aldeias, transmitem essas histórias como advertências, um meio de manter suas crianças perto das aldeias.

As raízes dessa lenda mergulham fundo nas antigas tradições xamânicas. Diz-se que o Mapinguari é o primeiro homem da Terra, uma figura primordial e ancestral, um guardião das forças desconhecidas que governam a floresta. Os jesuítas febris, aqueles intrépidos que se aventuraram nessas terras em busca de almas para converter, encontraram mais do que barganharam. Nos delírios da febre, avistaram o Mapinguari e, aterrorizados, proclamaram que ele era o próprio Adão, ou o judeu errante amaldiçoado a vagar eternamente pela floresta.

Embora de tamanho descomunal, a criatura se move com um silêncio sobrenatural, capaz de desaparecer e reaparecer diante dos olhos incrédulos das suas vítimas. Esta habilidade de se mesclar com as sombras, de ser uma presença oculta até o momento do ataque, reforça seu status como uma entidade que transcende as leis naturais. Aqueles que já tiveram o infortúnio de encontrar o Mapinguari e sobreviver para contar a história, o fazem com vozes trêmulas e olhos arregalados, pois sabem que nem todos os horrores podem ser deixados para trás.

Comente aqui

Categorias

Asssuntos

Posts

Último Episódio

Quem faz

O podcast é apresentado por Gabriel Vince. Já foi estudante de filosofia, história, programação e jornalismo. Católico, latino e fã de Iron Maiden. Não dá pra ser mais aleatório que isso.

Indra e a multivalência dos mitos de criação
Indra é o deus do céu no Hinduísmo, filho de...
O Passageiro Habitual de Philip K. Dick
"O Passageiro Habitual" é um conto de ficção científica de...
Ryo Fukui e um pouco da história do Jazz no Japão
Ryo Fukui foi um pianista de jazz japonês que marcou...
Um tributo a Santo Agostinho e sua obra “Confissões”
"Certos homens odeiam a verdade, por amor daquilo que eles...
Rolar para cima